UEFA anuncia pausa, não fim de relacionamento com a KONAMI. Agora, é Mobile-First, Mobile-Only, não adianta chorar

Parceria KONAMI UEFA
Parceria KONAMI UEFA

Guy-Laurent Epstein foi muito claro em sua mensagem: a parceria KONAMI/UEFA continuará na esfera de torneios de seleções como a Eurocopa. Aliás, a Euro 2020, será o primeiro torneio 100% licenciado da nova parceria. Ok, ainda não falei do lado sombrio desta perda: a ida dos direitos da Champions League para FIFA (algo que negavam até a morte) – mas vamos lá.

Lembrando que a KONAMI pode, se quiser, compartilhar a licença a partir de PES 2020, que na verdade chamará Winning Eleven Series PRO. Habemus? Opus est exspectare.

Voltando a Euro 2020, um estúdio contratado auxiliar pela KONAMI na Malásia, deste período onde ela troca praticamente 90% do antigo PES Team, já desenvolve arenas como Baku Olympic Stadium, Saint Petersburg, Krestovsky Stadium (Zenit Arena), Glasgow Hampden Park e Bucharest Arena Națională. TUDO VERSÃO MOBILE.

Tudo com imagens extra campo e conteúdo comemorativo dos 60 anos da competição.

No worries! Até na Unity 5 é possível criar gráficos magníficos como os estádios citados e dentro do que a KONAMI espera. Criar conteúdo estático não é difícil, o duro é a jogabilidade e a IA, algo que só quem entende muito de futebol pode fazer: nem KONAMI, nem EA usam gente da área para auxiliar nisso.

Para se ter uma ideia, Real Racing 3, usa know-how de mais de 40 pilotos e 100 engenheiros para manter as coisas rolando em alto nível, mesmo em tablets e smartphones, que não dão conta ainda de gerar games Level AAA.

Aliás, enquanto para Gran Turismo e Forza, parece não haver tal coisa como danos na lataria, motor e etc – em Real Racing 3 você sente o prejuízo na corridas ao ter seu carro danificado.

Enfim!

O baque é pesado e poucos fãs acreditam numa remontada da KONAMI. Para muitos, é só olhar as redes sociais, é o fim. Não, não é.

Se você não curte games mobile e não abre mão de consoles e PC, então sim, é o fim. Todo o esforço da KONAMI é para gerar a partir de 2019, conteúdo mobile AAA. Migrar a qualidade gráfica de Winning Eleven para smartphones e tablets ainda é complicado pois menos de 20% dos aparelhos do mundo possuem configurações porrada para aguentar tantos gráficos e soberania de conexão para jogar via 4G (mito no Brasil), e redes wi-fi de boa estabilidade para jogos onde o game em tempo real é sagrado e não tolera lags.

Não estou aqui defendendo o Adam Bhatti, mas ao invés de xingar ele no Twitter, que tal você, que não concorda com o enfim revelado Mobile-First da KONAMI, questionar Jonas Lygaard, o rei das licenças da KONAMI na atualidade. É ele quem decide que licença entra, fica, volta ou sai.

Readers Comments (2)

  1. Top gatão!

    Responder
  2. hahahhahahhahahhahaha lá vem esse doente de novo com a mesma ladainha!!! O cara não cansa, é impressionante!!! Só fala uma bosta atrás da outra, nunca acerta os devaneios, mas continua insistindo! Bom, pelo menos a diversão está garantida pelos próximos meses, até ele tirar esse lixo do ar mais uma vez!

    Responder

Cornetar!

seu email não será publicado.


*